sábado, 23 de junho de 2012

No olho do furacão


Para quem também quer se aventurar a descobrir o Texas, é importante saber que aqui tem furacão!!
Bem, soa um pouco assustador pra nós saber que estamos morando em um Estado que está no "olho do furacão" , ou melhor dizendo, na rota predileta dos furacões. Mas, não é bem assim...
Eles - os furacões - não aparecem o ano inteiro, tem um período específico do ano pra eles darem o ar de sua graça. Para informação de todos os leitores : "ESTÁ ABERTA A TEMPORADA DE FURACÕES!! ESTEJAM PREPARADOS."  Isto é o que se lê por todos os lados, em avisos nas estradas, em folhetos nos supermercados, e  até em e-mails pessoais que a Prefeitura de Houston e arredores manda pra seus residentes. Eu mesma recebi o meu. Nesses folhetos/e-mails/avisos, as autoridades ensinam o cidadão a se preparar para receber o afamado.
Então, todas as pessoas têm acesso a números e estatísticas, mas, principalmente, a  instruções para manter sua própria segurança. São medidas bem interessantes e práticas. Uma dessas instruções é a de manter um kit de sobrevivência, que inclui lanterna, cooler com alimentos não perecíveis e  muita água. Recomendam o suficiente para 7 dias. Também sugere-se ter um pequeno kit de primeiros socorros, que sinceramente, não serve pra nada se você estiver morrendo, mas serve se você se machucou um pouquinho e o hospital está longe. Então, um pouco de álcool a 70% e umas gazes podem quebrar seu galho. Interessante que orientam a sacar dinheiro extra, porque os bancos não ficam abertos no meio  do furacão e os caixas automáticos (ATM) podem não funcionar em virtude das quedas de energia. Um radio ou TV a pilha são também itens importantíssimos para o sujeito ouvir as notícias, com instruções para onde ir, quais estradas estão bloqueadas, essas coisas. 
Existe toda uma rota de evacuação, just in case, de tal forma que todas as pistas das auto-estradas ficam todas em uma só direção: a de saída.







Você não é obrigado a sair. As autoridades recomendam, mas no país da liberdade, você só sai se quiser. Pode ficar, se for louco. Mas, eles deixam bem claro: não espere que alguém venha te socorrer se houver uma emergência. Você está no meio do furacão por sua conta e risco. Ninguém vai se arriscar por você.


pequena temporada de furacões nessa região começa oficialmente no dia 1º de junho e vai até o dia 30 de novembro!! Mas, o pico acontece nos meses de agosto e setembro. Os furacões se formam sobre as águas mornas do Oceano Atlântico no Golfo do México (a água quentinha de Galveston tem seu preço...). Por isso, os Estados mais afetados são os que têm litoral no Golfo: Florida, Louisiana, Mississipi e Texas.O Alabama menos, porque tem só uma pontinha de litoral. Desde 1851, nada menos que 63 furacões apareceram na costa do Texas. É uma média de um furacão a cada 3 anos.




É interessante saber que os grandes danos causados pelos furacões não são pelos ventos em si, mas pelas tempestades que provocam. Pra se ter uma ideia, o Furacão Andrew, que passou por aqui há 20 anos, foi considerado um dos mais devastadores da região, tendo levado vinte e seis pessoas `a morte. Vinte e seis!

Pra quem está aí morrendo de medo só de ler,  e se gabando de não ter furacão no Brasil, transcrevo o texto retirado do site noticias.uol.com.br de 15/03 de 2011:
O número de mortos na tragédia na região serrana do Rio de Janeiro subiu para 902. No dia 12 de janeiro uma enxurrada atingiu vários municípios.
Em Nova Friburgo, há 426 mortos. A cidade de Teresópolis - a segunda mais castigada - contabiliza 379 vítimas. O distrito de Itaipava, no município de Petrópolis tem 71 mortos; Sumidouro o maior produtor de verduras e legumes do Rio, tem 21 mortos; São José do Vale do Rio Preto, quatro; e Bom Jardim, um morto.

Infelizmente, esse é um quadro que se repete no Brasil ano a ano, com as chuvas de janeiro. Todos sabem que vai chover, vai ter tempestade, desabamento, soterramento... e niguém se prepara. O caos se instala depois que a tragédia já aconteceu, com  alto custo e prejuízos inestimáveis - vidas de pessoas.
 A diferença aqui é o preparo. Todos esperam pelo furacão, existe uma infra-estrutura e educação continuada, para diminuir os efeitos, caso o furacão apareça.  Porque pode nem aparecer. Se Deus quiser!!! Então,  a soma de vinte e seis mortos em 1992 é considerada a maior tragédia dos últimos tempos. E é por isso que não fico com (tanto) medo.


Anyway, já começamos a montar nosso kit. ;)



P.S.:  O título do post "No olho do furacão" não é uma expressão correta, apesar de consagrada pelo uso,  pois trata-se de um local seguro. No olho do furacão , não se formam ventos e nem tempestades.  Da próxima vez que a coisa estiver feia, experimente dizer: "Estou nas bordas do furacão!"  Porque é lá que o bicho pega.
P.S.2: Para quem achava que Furacão só tem nome de mulher - e daí aquele tanto de piada machista - saibam que  Furacão tem nome de homem, também. Geralmente,  quando um é nome de mulher,  o próximo é nome de homem.
P.S.3 : Venham nos visitar, gente! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário