quinta-feira, 18 de outubro de 2012

18 de outubro

Eu quase não falo sobre Medicina aqui no blog. 
Mas, hoje, não dá pra passar em branco. Nem se eu quisesse esquecer, o português me deixaria fugir do tema. Porque até pra passar em branco, eu me lembro...
Me lembro dos primeiros dias, há pouco mais de 17 anos! Eu tinha então... pouco mais de 17 anos! 
Mas, parece que foi ontem.
Os corredores antigos da Faculdade, o cheiro da Sala de Histologia ( eu juro! eu lembro, por mais que não exista memória olfativa! Devo ser  mesmo uma variação anatômica...)
Eu lembro de chorar de dó dos ratinhos, de sair  da sala passando mal e pagando mico...
De todos sentados no "puleiro",  tensos, amontoados, esperando a prova prática de Anatomia. Quando eu então resolvi levantar (maldita hora!) e cantar uma música do Rei do Baião "Eu vou mostrar pra vocês (como se dança o baião)" E , antes que eu acabasse de cantar, a multidão de engraçadinhos já ecoava "Mostra! Mostra! Mostra!) Nunca mais cantei nada, eu acho...Sério, onde eu estava com a cabeça?
Eu lembro de cada Projeto Canja (não cantei, mas dancei - porque pagar mico era comigo mesmo!), de "Lanterna dos Afogados", das provas de Neuro-anatomia (que todo mundo jurava que eu as tinha previamente, porque só tirava notão) . Esclarecimento: EU NUCA TIVE AS PROVAS, GENTE! Eu só namorava o monitor de Neuro, só isso. E ele era (e ainda é) um super-hiper-mega-caxias-cdf-chato-de-plantão com essas coisas. Ele não me dava as provas. Eu só tinha mais estímulo pra estudar. Só isso!)
Eu me lembro do primeiro paciente, do primeiro bebê que ajudei a nascer, do primeira cirurgia e de tantas outras coisas que, ao longo dos anos, nos fazem médicos. Do primeiro paciente que não sobreviveu... de como contar isso pra família. De perder uma criança,  de ver esvair a vida... De chorar junto, de ficar com raiva. De questionar Deus...
Eu me lembro dos plantões da Residência, dos sufocos, das paradas, dos acompanhantes rompendo aneurismas em plena madurgada!
Eu me lembro com saudade, dos meus amigos e dos meus Mestres.
Mas, hoje, eu me lembro, acima de tudo, dos meus pacientes. E agradeço por cada um deles ter confiado a mim uma parte de sua vida. Agradeço pela oportunidade de ter vivido esse sonho por todos esses anos. Por terem sido fonte de contentamento, de inspiração. 
Muitas vezes, houve também indignação, ingratidão, maus-pedaços, enfim (nem tudo são flores). Mas,  sei que tudo cooperou para o meu crescimento. Profissional e pessoal. E, se hoje, posso estar aqui usufruindo de um período de descanso, foi graças a todos esses anos de trabalho médico, nem sempre recompensador, mas sempre honesto e digno. Posso dizer hoje traquilamente:

Prometo que, ao exercer a arte de curar, mostrar-me-ei sempre fiel aos preceitos da honestidade, da caridade e da ciência, penetrando no interior dos lares, meus olhos serão cegos, minha língua calará os segredos que me forem revelados, o que terei como preceito de honra. Nunca me servirei de minha profissão para corromper os costumes ou favorecer o crime. Se eu cumprir este juramento com fidelidade, goze eu para sempre a minha vida e a minha arte de boa reputação entre os homens; se o infringir ou dele afastar-me, suceda-me o contrário." (Hipócrates. 450 a.c.)

Parabéns a todos os meus colegas médicos, que podem deitar a cabeça no travesseiro e saber que fizeram o seu melhor. E que nada, nunca, nem ninguém (nem nós mesmos) tirem da nossa profissão, a nobreza, a dignidade e o caráter que ela tem.

7 comentários:

  1. Oi Cris!
    que post mais sincero e bacana...
    adorei saber mais um pouco de você, da sua história...
    Menina de ouro você hem...
    beijos e bom fim de semana

    ResponderExcluir
  2. OI, ANa, Obrigada pelo elogio. Aos poucos, vou contando a minha vida toda. Em breve, seremos amigas íntimas. Rssss!

    ResponderExcluir
  3. Ah q saudades!!! Fiz uma viagem no tempo!!!!

    ResponderExcluir
  4. Tchu, que saudades daquele tempo, tô rindo até agora da lanterna dos afogados. Muitas saudades mesmo!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cynthia e Carol, lembrei muito de vocês ao escrever este post.
      Muita saudade; saudade demais da conta! Rsss
      Beijos!

      Excluir
  5. Oi Cris, parabéns. Realmente, apesar das adversidades, a medicina é uma profissão muito gratificante: permite muitas vezes que você exerça o cristianismo, amor, caridade, atenção, ajuda de várias formas. A real recompensa vem de Deus. Saudades.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. OI, Cris, obrigada! Quando a gente pensa assim, tudo fica mais bonito... Beijim

      Excluir