domingo, 20 de janeiro de 2013

De volta

Mais de um mês depois da minha última aparição por aqui, eis que estou de volta. Como faz falta escrever no blog! É um dos meus maiores prazeres desde que vim pro lado de cima do Equador. Mas como eu disse no meu último post,  estes foram dias de grande tempestade. E não dá pra blogar no meio da tempestade - se bem que Jesus dormia... Tempestade familiar, de ondas enormes, de barco balançando a ponto de submergir... O coração do homem faz planos, mas é Deus quem lhe dirige os passos...
Minha mãe chegou dia 5 de dezembro de 2012, com o projeto de ficar aqui com a gente mais 5 meses. Meu pai viria no Natal e passaria um mês aqui. O casal de pombinhos ( meus pais!) aproveitaria para percorrer a rota Leste-Oeste  americana. Todos os meus irmãos e suas famílias chegariam e passaríamos o Natal mais maravilhoso de todos os tempos na Disney!! Mas, a notícia avassaladora de uma doença em nossa família mudou o curso das coisas. Papai foi diagnosticado com câncer de intestino menos de 10 dias depois da chegada da minha mãe na América. A uma semana da sonhada e esperada viagem do Natal, tudo parou. O assunto tickets/outlets/parques/passeios mudou para oncologistas, biópsias, ressonâncias, Pet-scan: era o barco balançando... Já estávamos no meio do caminho pra Orlando, minha irmã já estava em Orlando e meu pai no consultório do cirurgião, sem saber se viria ou não, sem saber se a cirurgia deveria ser imediata, ou se poderia esperar 10 dias ( o tempo do nosso passeio).
...
Todos vieram para o Natal, inclusive meu pai - Deus é bom!- e fomos pra Disney. O conselho sábio de uma amiga ecoava constantemente na minha cabeça: "Não deixe nada, nem ninguém roubar de vocês a alegria."  O sorriso estava no rosto,  mas o coração estava apertado. Ao menos, finalmente, eu estava em casa. Podia parecer uma casa de seis quartos lindamente decorada com tema de "Animal Kingdom", em um condomínio de "Villas" perto da Disney... Mas, por onze dias, aquilo foi "casa" pra mim. (Aqui o termo "home" se aplica melhor que o termo "house" , o que me leva a crer que esse texto ficaria mais bonito em inglês.)
...
Em dias de espírito angustiado, blogar é terapêutico pra quem escreve, mas pode ser desinteressante pra quem lê. E eu só consigo falar daquilo de que meu coração está cheio. Sou assim, sem cobertura ou véu que me esconda, e gosto disso. Não quero mudar. Nem perturbar ninguém com a minha dor. Então, fico quietinha. ( Devo acrescentar que meu computador estragou, o que também contribuiu para o meu sumiço. Essas mal-traçadas linhas de hoje são tecladas no laptop de Dr. Marido, que é tão cri-cri com as coisas dele, que até prefiro não pedir...)
Enfim, sigo meus dias de introspecção e reflexão, regados a muita vontade de estar no Brasil, digo, de estar com meus pais e irmãos,  onde quer que seja ( não é saudade da nação, se vocês me entendem, é saudade de "casa").
...
Não que as ondas tenham diminuído, não que o barco esteja ancorado, não que a tempestade tenha passado. Mas, a consciência de Jesus no barco me faz escrever de novo.
...
Tenho muitas novidades pra postar, muitas fotos e um tanto de novas histórias das pequenas. Vamos devagar. No final, dá tudo certo!


P.S.: Janeiro está quase no fim, mas acho que ainda dá tempo de desejar a todos um Feliz 2013!

7 comentários:

  1. Cris, eu sinto muitissimo pela doenca do seu pai. Eu trabalho com radioterapia (nao sou medica, mas entendo um pouco) e posso te ajudar, caso tenha alguma duvida, agluma pergunta.
    Fora isso, vamos orar juntar em concordancia pela manifestacao da cura do seu pai, porque Jesus ja levou todas as nossas enfermidades e nada pode nos tocar!

    ResponderExcluir
  2. Oi,Luana, obrigada pelo carinho. Papai está sendo operado nesse momento e eu agradeço muito suas orações. Me mande seu email pra gente conversar,
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Nossa Cris, que noticia triste... sinto muito por você.
    Achei que vocês fizeram o certo, estarem juntos...
    E depois nos conte como ele esta. Deus abençoe ele e vocês para passarem por esta doença e juntos vencer essa barra.
    Cris quando precisar conversar estarei aqui...
    Beijos no coração....

    ResponderExcluir
  4. OI, Ana! As coisas estão mais clamas, agora. Cirurgia realizada sem intercorências. Ele ainda está internado, mas meus irmãos e minha mãe estão cuidando bem dele. Vamos vencer essa, sim! Deus pode todas as coisas! Obrigada pelo apoio. Beijos pra ti também!

    ResponderExcluir
  5. "E ainda se vier noites traiçoeiras,
    Se a cruz pesada for, Cristo estará contigo."

    ResponderExcluir
  6. "E ainda se vier noites traiçoeiras,
    Se a cruz pesada for, Cristo estará contigo."

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. " o mundo pode até fazer você chorar, mas Deus te quer sorrindo!"
      Linda música! Passamos por aflições nessa vida, mas a gente tem Companhia. A toda hora, todo minuto, a melhor de todas as companhias...
      Obrigada pelo carinho!

      Excluir