quarta-feira, 26 de março de 2014

Silêncio

Há quase três meses, não recebo uma ligação  do Brasil.
Uma ligação de todos os dias.
Meu telefone está em silêncio... Não o ouço tocar. Não ouço a voz mais presente da minha vida do outro lado da linha.
Silêncio.
Suas palavras eram meu pão diário, e faziam parte da minha rotina. 
Ora corriqueiras, triviais, falando de coisas simples; ora sábias e profundas, me ensinando o mais importante dessa vida. Sempre, uma doce voz, uma doce palavra...

"E agora, José? Sua doce palavra.... e agora?"

Ah, pai, como me fazem falta suas palavras...
E elas silenciaram para sempre no dia 14 de janeiro.
Ainda não consigo acreditar que o senhor não vai me ligar mais. Pra saber das meninas, perguntar do meu dia, se eu vi o que disse Bill O'Reilly na FoX News... Não vai me ligar pra saber se eu sei o que é "drift", "spare", "shed" ou qualquer outra palavra que o senhor sabia e eu não..., se eu ouvi o que o democrat so-and-so  falou - e que é um absurdo, por sinal! - se eu vi o último discurso do Rick Perry... 
Não vai me ligar pra saber com está o clima aqui e falar que ama o frio... Como vai o Christiano no novo hospital... 
Todo o  dia. Pai, todo o dia é muita coisa, sabe? E todo o dia faz seu silêncio doer mais. 
Não, pai, isto que escrevo não é um tributo `a sua vida. Isso ainda não consigo fazer... Isso é apenas uma satisfação que dou aos meus poucos e fiéis leitores. Pra que eles saibam o motivo do meu silêncio. Porque o meu silêncio é fruto do seu, como minha vida é fruto da sua.

Um tributo `a sua vida, pai, merece um blog inteiro. Ou melhor, um livro. Porque disso o senhor gostava muito. E foi um dos seus pedidos, né? Que não jogássemos fora seus livros. 

"E agora, José, sua biblioteca?... e agora?"

Está bem guardada, pai. Como estão bem guardadas suas palavras, seus ensinamentos e seus exemplos. Exemplo de homem que mais amou nessa vida.  Que me ensinou que AMOR é coisa que se demonstra e não coisa que se sente. Que sentir amor sem demonstrar é o maior erro dessa vida. AMOR sentido é AMOR vivido. E eu fui amada. E mais do que isso, eu me senti amada. E também minha família, meu marido, minhas filhas. 
Obrigada, pai. Porque o senhor amou em ações e não só em palavras.
Obrigada, pai, porque o seu silêncio não te apaga da minha vida. O seu silêncio me machuca, me maltrata. Mas o seu AMOR, esse o senhor deixou pra mim. 
E esse... não morre nunca.


"Mas, você não morre! Você é duro, José!"




"O amor jamais acaba." 
1 Co. 13.8


José Abdala Tuma Neto
* 24/11/1949
† 14/01/2014





15 comentários:

  1. Amiga Cris. Só tenho uma coisa a dizer... um beijo muito grande no seu coração. 😙😙

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, querida. Um beijo no coração é sempre bem-vindo.
      Cris

      Excluir
  2. Eu já falei tudo que queria dizer por email, mas deixo aqui meu carinho nessa hora tão difícil. Que Deus te dê forças!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo carinho, Lorna. Só Deus pra nos segurar numa hora dessas.
      Beijos,
      Cris

      Excluir
  3. Oh meu céu, nao se sinta culpada por "estar longe" do seu superman, ele sabe que vc batalhou pra realizar o seu sonho e dar mais qualidade de vida a neta deles. Com certeza ele esta com o grandissimo, nosso pai maior. Meus pesames fia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, a certeza de que ele está bem melhor agora é um conforto.
      Cris

      Excluir
  4. Força aí! A vida te deu um pai e te deu ensinamentos, nada vai tirar a experiência de tê-lo na sua vida por um breve período.

    Kisu!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Bah. Isso é verdade... A gratidão pela vida dele tem sido o meu pensamento constante.
      Beijo
      Cris

      Excluir
  5. Cris, eu sinto muito por ter perdido o seu pai. voce sabe o que o meu tambem ja se foi, nao eh? Fez 5 anos em fevereiro.
    Mas espero que Deus conforte o seu coracao e que voce tenha saudades, mas nunca tristeza.

    ResponderExcluir
  6. Obrigada, Luana. Sei que você conhece essa dor. Espero ter só saudade um dia, por enquanto ainda tem muita tristeza aqui :(
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Cristiane, a gente nem se conhece e sou leitora do seu blog. Realmente, senti o seu silencio, mas agora, veio a explicaçao. Sinto muito pelo acontecido com seu pai...conheço essa dor, e posso dizer que é extrema. Assim como o seu, meu pai tb era uma pessoa fenomenal e nos deixou da noite para o dia, sem esperamos por isso. É um choque, uma dor sem fim, muitas vezes uma revolta ( pra mim, no começo senti muita revolta). A vida nunca mais será a mesma, sempre teremos essa ferida, ou uma cicatriz, masss, um dia vc volta a sorrir, mesmo a vida nao tendo o mesmo brilho. Digo que a gente consegue voltar a se divertir, dar risada, masss, falta ele para sermos felizes por completo. O tempo é nosso aliado, graças a Deus!! Que vc fique em paz. E acho que assim como eu, vc tb foi abençoada por ter tido a felicidade de ter uma pessoa tao especial para chamar de pai!! Nao duraram o que gostaríamos, mas tivemos esse presente em nossas vidas!!! Um grande beijo no seu coraçao!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sorry por aparecer meu nome como Rapunzel. Meu nome é Paula Focante. Beijos

      Excluir
    2. Obrigada, Paula. Tem dias que dói muito, a minha ferida está aberta ainda. O processo de cicatrização durará a vida inteira e nunca será completo... Mas graças a Deus pela oportunidade de ter um pai maravilhoso. É muita honra. Quando a gratidão invade meu coração, a dor fica menor. Obrigada pela participação aqui no blog, volte sempre!
      Cris

      Excluir
  8. Confesso que li esse pst com lágrimas nos olhos, meu pai também era José, e assim como o seu, também era uma figura única, fantástica. Em homenagem a ele colocamos José como segundo nome no nosso filho, ficou Thomas José - que pra muita gente pode não fazer sentido, mas no meu coração, faz.
    Espero que a dor passe logo!
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Parabéns pelo Thomas José. Lindo!!! Faz todo o sentido pra mim!
    Beijos e obrigada.
    Cris

    ResponderExcluir