quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Finalizando


Eu sei, eu sei. Mais uma retrospectiva de final de ano é demais!! Você já não aguenta. Mas, é a minha primeira retrospectiva do ano e eu tenho poucas horas para conclui-la. Segura as pontas que vai ser rápido.
Termino meu ano de 2015 agradecida - como sempre. 2015 foi bom demais da conta. Não fiquei rica, não arrumei o emprego dos sonhos, não realizei tudo o que eu quis. Mas foi o ano que recebemos a resposta que viemos buscar do lado de cima do Equador. Foi o ano que a porta se abriu de forma definitiva pra gente. Foi o ano que o medo de ter que voltar pro Brasil foi superado ( sim, eu tinha medo, me julguem). Foi o ano que mudei de Estado. Foi o ano que comprei minha casa própria nos Estados Unidos. Foi o ano que recebi meu Social Security e minha autorização de trabalho. Não, ainda não tenho emprego. Mas gostei de 2015 mesmo assim. Mesmo terminando 2015 desempregada ( se bem que ainda tenho algumas horas para um contrato relâmpago, nunca se sabe!)
Por trás disso tudo, foi o ano em que finalmente, renasceu em mim a vontade de voltar a ter minha profissão. Sou grata porque pensei que esse desejo nunca mais ia voltar. Mas ele voltou!!! Ele voltou!! E estou pronta pra começar o ano trabalhando no que Deus tiver pra mim. Foi o ano que finalmente voltei a ler artigos científicos, fazer cursos, olhar congressos. Foi o ano que montei meu currículo em inglês e tentei dar uma limpada na ferrugem do bichinho. Também foi o ano que sacudi a poeira do bloguito ( ainda que recentemente) e finalmente comprei um domínio - o euabrasil.com ( chama isso mesmo em português? domínio?). Botei anúncio no blog e em breve, uma loja virtual. Aguardem!
Foi o ano em que li quase tantos livros quanto eu gostaria e aprendi muita coisa nova.
Enfim... muita coisa boa aconteceu em 2015. Muitos sonhos pra serem realizados, alguns projetos no forno ainda ( literalmente, tem um lombo cheirando a casa toda neste exato momento!!). Tive tropeços também, claro. Obviamente, tive lágrimas - e não foram poucas. Tive saudade, muita saudade. Tive a falta do meu pai - que vai me acompanhar pra sempre, eu já percebi isso e a esta altura, você também. Mas este ano - em que eu me lembrei dele com muita freqüência ( leia-se  o tempo todo, várias vezes ao dia),  sua memória me trouxe mais sorrisos do que lágrimas! E eu mais uma vez,  me senti muito confortada por Deus. Tive paz e esperança.
E  são estes esses dois singelos sentimentos que me sussurram:  2016 será ainda melhor.
Feliz Ano Novo, gente!
Todo dia é dia de ser feliz.
Vejo vocês no ano que vem.

quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

Reflexões de Natal


Permitam-me celebrar o Natal.
Mesmo com o mundo virado, dominado pela maldade, dominado pela avareza, e pelas injustiças sociais.
Permitam-me celebrar o Natal. E enfeitar a minha casa de luzes e montar a minha árvore e ter minhas filhas em volta, colocando enfeite por enfeite com capricho e determinação de quem faz uma obra de arte.
Permitam-me ouvir músicas natalinas que falam de renas e de neve, que falam de comidas e famílias, de suéteres, de frio, e de tudo que nem tem na Bíblia, mas faz parte da cultura do país em que escolhi para morar.
Permitam-me fazer biscoitos com minhas filhas, em formatos de gingerbread man, de bengala de doce e, de meias - e não necessariamente de manjedoura.
Permitam-me ser generosa. E comprar presentes para os meus filhos e meus amigos, aqueles que Deus colocou mais próximos de mim para cuidar e amar de maneira mais especial e intensa. Permitam-me ser mais generosa também com quem não conheço, mais nessa época do que em qualquer outra, por saber que melhor é dar do que receber. E que já recebi  muito mais do que posso oferecer.
Permitam-me ter minha casa com meias dependuradas e enchê-las devidamente na madrugada do dia 25. Permitam-me ver os olhos das minhas filhas brilhando e ouvir os seus gritinhos de alegria ao descobrirem que Papai Noel passou...
Permitam-me ensinar essa fábula as minhas filhas como quem a guardou como um tesouro,  como herança preciosa da própria infância. Permitam-me entrar  nessa fantasia que em tão pouco tempo se desfará, assim como se desfará a fantasia da Cegonha, da Fada-do-dente, da Cinderela, da Bela Adormecida e da Branca de Neve. Permitam-me enquanto posso, saborear o gosto das risadinhas e da surpresa, o gosto da inocência infantil.
Permitam-me celebrar o Natal. E convidar Jesus pra festa, apesar de não precisar, pois não pode ser convidado alguém que já mora na casa. Permitam-me celebrar o seu dia e cantar " Parabéns pra Você" pra Jesus na hora da sobremesa, como tenho feito todos os anos.
Permitam-me ir a toda programação musical da cidade e entoar os hinos de louvor mais belos de todos os tempos.
Mesmo sabendo que Jesus não nasceu em dezembro, mesmo sabendo que trata-se na verdade de uma festa  pagã  m sua origem que não comemora nenhum Messias, que comemora o início do inverno no Hemisfério Norte. Permitam-me aceitar essa data como algo escolhido por homens, mas que leva a uma reflexão  sagrada.
Permitam-me entender o significado do Natal - o nascimento do filho de Deus, do Verbo que se fez carne e do milagre da Salvação que existem em Jesus Cristo, aquele a quem celebramos.
Permitam-me ver a alegria do Natal. Mesmo com o coração doendo daquela ausência que nunca acabará. Mesmo com uma dor doída que insiste em permanecer e uma tristeza na alma que aumenta muito nessa época do ano. Mesmo sentindo, pra sempre, a falta do "meu" Papai Noel.
Permitam-me minhas tradições. Estão sendo usadas para moldar crianças saudáveis e estreitar laços de família e amizade. Estão sendo usadas para ensinar generosidade, ensinar que a família é o bem mais importante que se pode ganhar, que a verdadeira alegria supera momentos difíceis.
Eu vou celebrar com tudo, com ceia, com presente, com luzinha, com festa e Papai Noel.
O maior presente do Natal eu já tenho - Jesus Cristo como Senhor e Salvador da minha vida. E com Ele falo todos os dias, canto todos os dias, agradeço todos os dias. Ele está comigo em todas as minhas tristezas e estará em todas as minhas celebrações.
Quer me permitam, quer não.

Feliz Natal a todos!