segunda-feira, 27 de junho de 2016

A próxima prova



Estou na vibe das provas desde que resolvi prestar esse bendito Step one para a revalidação do meu diploma. Esse é o meu motivo mais recente  do sumiço do blog. Pois então, foi nesse ritmo de banco de questões que me apareceu a inspiração para o post: a próxima prova é sempre mais difícil. Espera um pouco que vai fazer sentido.

Quando você estava lá longe no Pré- alfabetização, tenho certeza que achou a coisa mais difícil do mundo escrever que "Vavá viu a uva". O mundo não era feito só de vogais? Como assim? Que  dificuldade. Eram tantas letras diferentes. Consoantes- "o que que é isso"?  Escrever bola até que foi fácil, mas depois lá vinha a professora com macaco, banana e sapato pra gente escrever. Aí não! Mas conseguimos!! Você terminou o seu Pré todo orgulhoso porque sabia ler e escrever e eu também terminei o meu. Parabéns pra nós dois!

 Foram "só" três meses de férias pra gente descobrir que era pouco. A gente não sabia era de nada. Tivemos que aprender o cachorro,  o jacaré e o  papagaio. E claro, o ornitorrinco - que não poderia faltar na educação  de nenhum de nós brasileiros. E foi assim, escrevendo um zoológico que a gente saiu do Ensino Fundamental.  "Vavá viu a uva" era coisa pra badequinhos. 

Foi na luta daqueles anos "difíceis" da nossa tenra infância que assimilamos essa constatação: a prova de amanhã é sempre mais trabalhosa. Sim, ela exige mais letras, mais números, mais associações, mais fosfato, mais sinapses, mais neurotransmissores.

Enfim, crescemos. O volume de conhecimento que acumulamos ao longo dos anos é inacreditável. Sei que neste momento, me lêem estudantes e professores, mestres,  doutores e pós-doutores. Posso dizer que chegamos - eu e você - ao topo de conhecimento, se compararmos com a maioria das pessoas ao nosso redor. ( Na verdade, a gente não sabe de nada,  mais ainda assim sabe mais que muita gente.)

Tanto é que se eu escrever que "Vavá viu a uva" mais uma vez, capaz de você desistir e sair da página ( sei escrever goianês também, viu que gracinha?). Porque no fundo, você espera que eu escreva algo interessante. E se você não espera, eu espero e isso já é suficiente.

Os benditos steps da validação do diploma (USMLE) também são assim. Na hora que você jura por A+B que tá dominando bem aquele assunto e tal, aparece uma questão de estilo não-tenho-a-mínima-ideia-de-onde-saiu-uma-coisa-dessa. Sim, meu filho, existem mais mistérios entre o céu e a terra do que sonha a nossa vã filosofia.

E lá vamos nós de volta para os livros, tentando  descobrir  porque cargas d'água a resposta era aquela, E a gente errou. E pra quê a gente faz isso? Para não errar de novo. Simples. Mas pesquisadores afirmam que se você errou da primeira vez, é muito provável que você erre a mesma questão a segunda vez.

Não, esse texto não é só pra nós que estamos na jornada da licença médica americana. Fica firme. Se eu e você (que estamos prestando a prova), e também você, (que entrou aqui  sem ter ideia do que é o USMLE); se a gente tudo junto e misturado tem crescido tanto em nossas jornadas acadêmicas,  por que, me diga por que, criaturas, somos tão resistentes a crescer como seres humanos?

Sim, esse era o X da questão. Falei que não tinha nada a ver com a prova. Faleeeeei!

Por que então queremos com tanto empenho acertar a próxima questão da molécula ultra super não-sei-das-quantas e na nossa vida real ainda queremos "Vavá viu a uva"? Parabéns pra você que já percebeu que essa frase marcou minha infância. Sabe, gente não dá pra ficar no "The book is on the table." (mudei um pouco para dar um tom bilíngue na coisa e pra você ver como sou versada nas letras).

" - Mas, eu já mudei muito - ele diz. Já sou hoje muito melhor do que era ontem!
  - Sim, é verdade - ela  responde. Muito bem! Parabéns!  Mas, você ainda é hoje um pouquinho pior do que amanhã."
(deu muito na cara que é "ela" quem sabe das coisas?)

Esse talvez seja o diálogo de uma mãe com seu filho ou de um mulher com seu marido ou namorado.  Mas, mais que isso, talvez seja o diálogo de  uma pessoa com ela mesma.


As dificuldades de amanhã serão maiores, pode acreditar. E antes que você me ache pessimista, vou logo avisando humildemente, do alto desse pedestalzinho aqui do meu lado que sou uma das pessoas mais otimistas que conheço. Prazer! Pode perguntar pra quem está perto. Mas do alto dos meus trinta e muitos poucos anos, isso eu já aprendi. O amanhã sempre traz provas mais difíceis. E não estamos 100% preparados dia nenhum.


A vida, meu amigo,, é uma constante evolução - ou "crescimento", se você não gostar muito de Darwin. A gente erra, repete a prova, e amanhã erra de novo. Mas até quando? - você me pergunta. Até acertar, ora essa! Mas e aí? - você continua. Aí, a gente parte pra próxima. E a gente erra a próxima ( lembra que a próxima é sempre mais difícil?)  Mas e por que a gente não desiste, afinal?

Pare, inspire, expire.
Encha o peito de ar.
Solte.
Diga 33.

Pense na sua resposta porque eu já vou partir para a próxima pergunta. Sim, tem mais pergunta.

- Aonde VOCÊ quer chegar?

Repita os procedimentos acima.

Eu sei onde quero chegar. E o quanto é penoso e árduo o trabalho pra chegar lá.
Meu desejo pra você é o que também desejo pra mim. Que em sua vida pessoal você tenha um alvo tão nítido como na sua vida profissional. E que você use nela o mesmo empenho que leva para outras áreas. Crescer, evoluir, melhorar.

Que você queira aumentar o seu score, em primeiro lugar, como GENTE.

Se a gente vai passar nas  provas, isso eu não posso garantir. Mas,  pesquisadores recentemente descobriram que assim todos serão mais felizes. Não é esse, em última instância o alvo de todos nós?



" O saber ensoberbece, mas o amor edifica."
 Paulo de Tarso.
( Nem tão recentemente assim)